Eu tenho diástase! Você sabe o que é?

8 de março de 2017

 

Quero compartilhar aqui algo que vem me incomodando a muito tempo, mais especificamente após minha primeira gravidez que ocorreu a 13 anos.

Sempre fui magra, na primeira gestação engordei apenas 12kg, minha filha nasceu com 4.200kg e 54cm, minha barriga ficou gigante comparado aos meus 1,62m e 58kg na época. No pós-parto não tive dificuldades em voltar ao meu peso, porém, minha barriga ficou diferente, não havia flacidez nem estrias, mas o aspecto permaneceu como se eu estivesse grávida de 4 meses, isso passou a me incomodar muito, não tinha coragem de usar roupas apertadas, biquíni então nem pensar.

Como na época eu tinha uma rotina de trabalho muito intensa, com muitas viagens, o pouco tempo que restava queria me dedicar a família, então academia não fazia parte dos meus planos.

Quando engravidei do Lucca continuava com meus 58kg, mas a barriguinha ainda estava lá, aproveitei que estava grávida, mesmo com apenas 4 semanas, pude relaxar e parar de  encolher a barriga, muitas pessoas comentavam como minha barriga estava crescendo rápido.

Neste segundo pós-parto também voltei rápido ao meu peso, mas adivinhem…a maldita barriga permanecia, foi então que decidi tomar uma atitude, mesmo não sendo grande fã de exercícios físicos (admiro demais quem curte, mas infelizmente não é meu caso) comecei a procurar algumas opções de treinos para fazer em casa, assim não mudaria minha rotina com o bebê e poderia continuar me dedicando ao blog, foi quando conheci o projeto Mamãe Sarada (para quem tiver interesse sobre o mamãe sarada clique aqui) gostei bastante e recomendo, fiz os 90 dias de treino direitinho, reduzi medidas, ganhei mais massa muscular, fora o bem estar que sentia após os treinos que por sinal são bem puxados, mas meu principal objetivo que era eliminar a indesejada barriguinha não deu resultado, confesso que desanimei e perdi a motivação.

Mas a vontade de fazer alguma coisa não saía da minha cabeça, não queria recorrer a cirurgia plástica, não que eu seja contra, inclusive tenho prótese de silicone e foi a melhor coisa que já fiz, mas neste caso queria contar apenas com minha força de vontade sabe?

Então comecei a pesquisar sobre o assunto e descobri que tenho diástase, eu já tinha ouvido falar, mas nunca havia me aprofundado no tema, foi aí que entendi porque não tive resultado com os treinos anteriores.

Vou contar para vocês tudo que descobri sobre diástase.

 

Diástase, o que é

 

diastase-abdominal

 

A diástase ocorre quando há o afastamento dos músculos retos do abdome. Estes músculos são aqueles responsáveis pelos sonhados “gominhos” do abdome “malhado”, são em número de dois e paralelos, laterais um ao outro. Quando há um aumento da pressão intra-abdominal ocorre o afastamento destes músculos.

As mulheres que não fazem exercícios físicos e, assim, não têm o abdome trabalhado, tem mais chances de apresentar o problema. Contribuem também para desenvolver a diástase os hormônios da gestação que provocam relaxamento muscular. Os fatores que predispõem uma mulher grávida para uma diástase do reto abdominal são usualmente: gestações múltiplas, obesidade, um bebê grande e excesso de líquido amniótico. Os sintomas mais comuns são dores na zona lombar, nádegas, coxas e uma protuberância no meio do abdome quando se senta ou está de pé.

Para saber se você tem diástase é simples, deite em uma superfície lisa e reta, levante apenas a cabeça em direção a barriga, mas não a tire totalmente da superfície (se caso levantar de mais a cabeça, o diagnóstico sairá errado). Posicione os dedos na altura do umbigo, acima do umbigo e depois abaixo do umbigo, e verifique se há mais de 2 dedos espaçados entre os músculos do abdome (como na figura abaixo) em um dos três locais indicados, sinta o espaço e a profundidade, caso haja, você tem diástase reto abdominal.

 

6_9-abdominal-vert

 

Infelizmente a diástase não pode ser evitada, mas é possível algumas medidas de precaução para diminuir as chances de desenvolvê-la, manter o intervalo entre as gestações em pelo menos dois anos e fazer exercícios físicos que fortaleçam a região.

Além de identificar que tenho diástase, descobri o mais importante, existem exercícios específicos para trata-la, é necessário um programa completo para fortalecer a musculatura e o reposicionamento dos músculos, fechando gradativamente a diástase, não funciona como um emagrecimento, é necessário restaurar os tecidos, por isso são usados vários exercícios abdominais especializados + exercícios funcionais + posturais + exercícios para o períneo. E o mais importante, alguns abdominais tradicionais podem piorar a diástase, por isso não obtive resultado no meu programa de treino anterior, e esse pode ser também o motivo de você não estar conseguindo.

Agora que descobri o problema e como devo fazer para trata-lo, é só correr atrás do prejuízo! Vem comigo?

Para isso vou iniciar o Programa Pós-Parto / Mães em Forma criado pela Personal Gestante e Coach de Mamães – Gizele Monteiro @gizelemonteiro (se quiser conhecer mais o programa acesse o link www.pospartoemforma.com.br ).

 

Acompanhe meus resultados que serão postados aqui no blog e também no Instagram: @mundinho_demae

 

Grande beijo!

Débora Bertoldi

3 comentários

3 respostas para “Eu tenho diástase! Você sabe o que é?”

  1. Paula Boni disse:

    Amiga que máximo essa sua descoberta sobre diástase. ?

  2. Ytanna disse:

    Então vc fez o programa dela? Funcionou? Pq só vejo pessoas do marketing dela dizendo que funciona. Não vou pagar 700 reais em algo que possa não ser verídico. Obrigada

    • Debora Bertoldi disse:

      Olá Ytanna!
      Sim, ainda faço o programa da Gizele Monteiro e tenho tido bastante resultado. Não é propaganda, também comprei e valeu a pena. Mas claro que venho associando os treinos com mudança de hábitos alimentares. Para ajudar nos resultados adotei alguns critérios da dieta Low Carb.
      Grande Beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESIGN MY WISHES GALLERY | PROGRAMAÇÃO WEBONFOCUS